quinta-feira, 10 de maio de 2018

Concurso Media@ção 2018



MENÇÃO HONROSA 
 Concurso Media@ção  
Prémios 2018

categoria :1.º/ 2.º ciclos do ensino básico


Título/ tema: Tecnologias, legos e muito mais…

Autores (aluna):Matilde Ferreira André
Professor orientador :Teresa Marçal
Escola/ AE :Escola Básica João Afonso de Aveiro | Agrupamento de Escolas de Aveiro.


Ver trabalho no site abaixo

Foram recebidos 130 trabalhos, 93 na categoria 3.º ciclo/ secundário e 37 na categoria 1.º/ 2.º ciclos do ensino básico, dos quais 122 em formato vídeo e 8 em formato podcast. De acordo com os critérios definidos no regulamento e a análise efetuada, o júri do concurso Media@ção, constituído por representantes da Presidência do Conselho de Ministros (PCM), Comissão Nacional da Unesco (CNU), Direção-Geral da Educação (DGE), Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), Fundação PTPlano Nacional de Leitura 2027 (PNL2027) e Rede de Bibliotecas Escolares, decidiu atribuir os seguintes Prémios e Menções:MENÇÃO HONROSA.


Parabéns à aluna e à professora!


domingo, 22 de abril de 2018

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA

12ª EDIÇÃO – 2017 | 2018

FASE NACIONAL - PROCEDIMENTOS

A Fase Nacional da 12.ª Edição do Concurso Nacional de Leitura [CNL] cumpre-se entre os dias 5 de junho de 2018 e 10 de junho de 2018, data de celebração da língua portuguesa.
Nesta Fase haverá:
 Uma prova escrita de pré-seleção, que decorrerá online;
 Uma prova pública final de palco.
Datas:
 Prova escrita de pré-seleção:
o 5 de junho de 2018, pelas 14.30h – para os alunos do 2º ciclo, 3º ciclo e ensino secundário
o 7 de junho de 2018, pelas 10.30 – para os alunos do 1º ciclo
 Prova pública de palco
o 10 de junho de 2018 – para todos os alunos
Localização:
 Prova escrita de pré-seleção: decorrerá nas Bibliotecas Escolares
 Prova pública de palco: a definir
Prova escrita de pré-seleção
Nesta prova participarão todos os alunos vencedores, conforme Regulamento.
A prova realizar-se-á sob a supervisão dos professores bibliotecários, num formulário online.
A elaboração da prova e a sua avaliação é da responsabilidade de um júri designado pelo PNL
O PNL disponibilizará aos professores bibliotecários diretamente envolvidos no processo, no dia agendado para a prova, o link para o formulário que os alunos deverão preencher e submeter.
A prova permitirá ao júri avaliar a interpretação de um texto, disponibilizado no próprio formulário, através da expressão escrita.
A prova terá a duração de 60 minutos. Deverá ser submetida pelos alunos, no máximo:
 2º Ciclo, 3º Ciclo e ensino secundário – até às 16.00 horas do dia 5 de junho de 2018;
 1º Ciclo – até às 12.00 horas do dia 7 de junho de 2018:
Os vencedores desta prova de pré-seleção serão anunciados no decorrer da prova pública final do dia 10 de junho de 2018.
Prova pública de palco
Para a prova pública de palco todos os alunos vencedores, conforme Regulamento, deverão levar um texto de qualquer género literário, previamente escolhido por si, escrito em língua portuguesa.
Antes do início da prova pública de palco serão anunciados os 20 alunos com a melhor prestação na prova escrita de pré-seleção. Serão apenas esses 20 alunos que irão realizar a prova pública de palco.
A prova pública de palco decorrerá em dois momentos:
 Leitura expressiva do texto que o aluno preparou previamente – 3 minutos
 Apresentação de uma argumentação em defesa do texto escolhido – 3 minutos
A prova permitirá ao júri nacional avaliar a interpretação de um texto literário, através da expressão oral.

segunda-feira, 16 de abril de 2018




RESULTADO DO CONCURSO MUNICIPAL DE LEITURA


Felicito todos os participantes da 2ª fase do CIL, assim como, todos os Professores envolvidos, agradecendo o empenho demonstrado. Este ano foi evidente a melhoria na leitura feita em voz alta.
Parabéns!
Os vencedores e suplentes apurados para a fase seguinte são:


1º ciclo – Catarina Luís A. S. Cristo (EB Esgueira).
               Suplente – Rosalina Capingano Braga (EB Barrocas).


2º ciclo – Matilde Vieira (EB João Afonso)
               Suplente – Carolina Vieira (EB São Bernardo).


3º ciclo – Bruna Tavares dos Santos (EB São Bernardo).
               Suplente – Catarina Filipa Fonseca Baltazar Silva (ES Mário Sacramento).


Ensino Secundário – Joana Maria G. F. de Castro (ES Homem Cristo).
Suplente – Sofia Loureiro Pedreiras (ES Jaime Magalhães Lima).

Os livros selecionados para a final, que será em Águeda no dia 19 de maio, são os seguintes:


1º ciclo - "O salto do gafanhoto" de Margarida Fonseca Santos.
2º ciclo - "Histórias que me contaste tu" de Manuel António Pina.
3º ciclo - "O rapaz do caixote de madeira" de Leon Leyson
ES – “O menino de Cabul” de Khald Hosseini.


                                                                A professora Bibliotecária,
                                                                    Conceição Henriques

sexta-feira, 2 de março de 2018


SEMANA DA LEITURA  
 ESCOLA EB 2/3 
"JOÃO AFONSO DE AVEIRO"







Sugestões de Leituras: 


IKEA - ENLOUQUEÇA VOCÊ MESMO
Os problemas dos clientes do IKEA começam no nome da loja. Diz-se "Iqueia" ou "I quê a"? E é "o" IKEA ou "a" IKEA"? São ambiguidades que me deixam indisposto. Não saber a pronúncia correta do nome da loja em que me encontro inquieta-me. E desconhecer o género a que pertence gera em mim uma insegurança que me inferioriza perante os funcionários. Receio que eles percebam, pelo meu comportamento, que julgo estar no "I quê a", quando, para eles, é evidente que estou na "Iqueia".

As dificuldades, porém, não são apenas semânticas mas também conceptuais. Toda a gente convencida de que o IKEA vende móveis baratos, o que não é exatamente verdadeiro. O IKEA vende pilhas de tábuas e molhos de parafusos que, se tudo correr bem e Deus ajudar, depois de algum esforço hão de transformar-se em móveis baratos. É uma espécie de Lego para adultos. Não digo que os móveis do IKEA não sejam baratos. O que digo é que não são móveis. Na altura em que os compramos, são um puzzle. A questão, portanto, é saber se o IKEA vende móveis baratos ou puzzles caros. Há dias, comprei no IKEA um móvel chamado Besta. Achei que combinava bem com a minha personalidade. Todo o material de que eu precisava e que tinha de levar até à caixa de pagamento pesava seiscentos quilos. Percebi melhor o nome do móvel. É preciso vir ao IKEA com uma besta de carga para carregar a tralha toda até à registadora. Este é um dos meus conselhos aos clientes do IKEA: não vá para lá sem duas ou três mulas. Eu alombei com a meia tonelada. O que poupei nos móveis, gastei no ortopedista. Neste momento, tenho doze estantes e três hérnias.

É claro que há aspetos positivos: as tábuas já vêm cortadas, o que é melhor do que nada. O IKEA não obriga os clientes a irem para a floresta cortar as árvores, embora por vezes se sinta que não faltará muito para que isso aconteça. Num futuro próximo, é possível que, ao comprar um móvel, o cliente receba um machado, um serrote e um mapa de determinado bosque na Suécia onde o IKEA tem dois ou três carvalhos debaixo de olho que considera terem potencial para se transformarem numa mesa-de-cabeceira engraçada.
Por outro lado, há problemas de solução difícil. Os móveis que comprei chegaram a casa em duas vezes. A equipa que trouxe a primeira parte já não estava lá para montar a segunda, e a equipa que trouxe a segunda recusou-se a mexer no trabalho que tinha sido iniciado pela primeira. Resultado: o cliente pagou dois transportes e duas montagens e ficou com um móvel incompleto. Se fosse um cliente qualquer, eu não me importaria. Mas como sou eu, aborrece-me um bocadinho. Numa loja que vende tudo às peças (que, por acaso, até encaixam bem umas nas outras) acaba por ser irónico que o serviço de transporte não encaixe bem no serviço de montagem. Idiossincrasias do comércio moderno.
Que fazer, então? Cada cliente terá o seu modo de reagir. O meu é este: para a próxima, pago com um cheque todo cortado aos bocadinhos e junto um rolo de fita gomada e um livro de instruções. Entrego metade dos confetti num dia e a outra metade no outro. E os suecos que montem tudo, se quiserem receber.

NOTA:
INGVAR KAMPRAD, o dono e fundador da icónica marca de mobiliário sueca IKEA, morreu aos 91 anos, no dia 27 de janeiro de 2018.

                                                                                                                                                                  ARTIGO DE OPINIÃO DE:




A CONSEQUÊNCIA DOS SEMÁFOROS

"Odeio semáforos. Em primeiro lugar porque estão sempre vermelhos quando tenho pressa e verdes quando não tenho nenhuma, sem falar do amarelo, que provoca em mim uma indecisão terrível: travo ou acelero? Travo ou acelero? Acelero, depois travo, volto a acelerar e ao travar de novo já me entrou uma furgoneta pela porta, já se juntou uma data de gente na esperança de sangue, já um tipo, de chave-inglesa na mão, saiu da furgoneta a chamar-me seu camelo, já a companhia de seguros me propõe calorosamente que a troque por uma rival qualquer, já não tenho carro por uma semana, já me ponho na borda do passeio a fazer sinais de náufrago aos táxis, já pago um dinheirão por cada viagem e, ainda por cima, tenho de aturar o pirilampo mágico e a Nossa Senhora do alumínio do tablier, o esqueleto de plástico pendurado do retrovisor, o autocolante da menina de cabelos compridos e chapéu ao lado do aviso «Não fume que sou asmático», proximidade que me leva a supor que os problemas respiratórios se acentuaram devido a alguma perfídia secreta da menina que não consigo perceber qual seja.

A segunda e principal razão que me leva a odiar os semáforos é porque de cada vez que paro, me surgem, no vidro da janela, criaturas inverosímeis: vendedores de jornais, vendedores de pensos rápidos, as senhoras virtuosas com uma caixa de metal ao peito que nos colam autoritariamente sobre o coração o caranguejo do cancro, os matulões da Liga dos Cegos João de Deus nas vizinhanças de um altifalante sobre uma camioneta com um espadalhão novo em folha em cima, o sujeito digno a quem roubaram a carteira e que precisa de dinheiro para o comboio do Porto, o tuberculoso com o seu atestado comprovativo, toda a casta de aleijões (microcefálicos, macrocefálicos, coxos, marrecos, estrábicos divergentes e convergentes, bócios, braços mirrados, mãos com seis dedos, mãos sem dedo nenhum, mongoloides, dirigentes de partidos políticos, etc.), sem contar o grupo de Bombeiros Voluntários que necessita de uma ambulância, os novos finalistas de Coimbra, de capa e batina, que decidiram fazer uma viagem de fim de curso à Birmânia, e a rapaziada da heroína que não conseguiu roubar nenhum leitor de cassetes nesse dia.

Resultado: no primeiro semáforo já não tenho trocos. No segundo já não tenho casaco. No terceiro não tenho sapatos. No quinto estou nu. No sexto dei o Volkswagen. No sétimo aguardo que a luz passe a encarnado para assaltar por meu turno, de mistura com uma multidão de bombeiros, de estudantes, de drogados e de microcefálicos, o primeiro automóvel que aparece. Em média, mudo cinco vezes de vestimenta e de carro até chegar ao meu destino, e quando chego, ao volante de um camião TIR, a dançar numas calças enormes, os meus amigos queixam-se de eu não ser pontual.
                                                                                                                             
                                                                                                                                António Lobo Antunes,
                                                                                                                                 Livro de crónicas, 2ª ed.,
                                                                                                                                 Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1999, pp.21-22

VOCABULÁRIO
1 Inverosímil: improvável, que não tem aparência de verdade. 2 Aleijão: pessoa com grave deformação física. 3 Microcefálico: pessoa com massa encefálica diminuta. 4 Macrocefálico: pessoa com desenvolvimento excessivo da cabeça. 5 Estrábico: pessoa que tem estrabismo, uma doença ocular em que os raios visuais se desviam de modo a impedir as pupilas de se moverem ou verem simultânea e regularmente. 6 Bócio: aumento patológico do volume da tiroide. 7 Mongoloide: expressão popular referente a quem é portador de síndrome de Down.

ANTÓNIO LOBO ANTUNES 1942-...Psiquiatra. Autor de obras como Memória de elefante (1979), Os cus de Judas (1979), A explicação dos pássaros (1981), Auto dos danados (1985), As naus (1988), Manual dos inquisidores (1996), Não entre tão depressa nessa noite escura (2000), Segundo livro de crónicas (2002), Comissão das lágrimas (2011), entre muitas outras.
Proposta de escrita
A vida quotidiana é vista por muitos como difícil. As razões são inúmeras: o trânsito, a falta de tempos livres, o tempo de descanso reduzido... Produz um texto de opinião, tendo em conta os tópicos apresentados. O texto deverá ter uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão. • Apresentação do tema a discutir. • Indicação da posição relativamente ao tema. • Exposição de dois argumentos que reforcem a posição pessoal. • Referência de exemplos da vida quotidiana que comprovem os argumentos. • Retoma da posição defendida.




CARA DE CAMELO ENGASGADO

Quando se zangava e se punha amuada, a minha amiga Sara ficava com cara de camelo engasgado.
Eu nunca vi um camelo engasgado. Nem um camelo constipado. Nem um camelo que não tenha aquela cara de camelo dos camelos que estão no Jardim Zoológico e nos filmes.
Mas quando a minha amiga Sara ficava zangada, toda a gente olhava para ela, mesmo os que nunca tinham visto um camelo, percebiam logo que ela estava com cara de camelo engasgado.
O pior é que ela não gostava nada que lhe dissessem isso. E quando lho diziam, a Sara ainda se zangava mais e protestava e barafustava e ficava cada vez mais com cara de camelo engasgado. Um dia, estava ela muito amuada e eu disse-lhe que estava com cara de camelo daqueles mesmos muito engasgados. E ela barafustou, protestou, rezingou, como era de costume. E a cara ia ficando cada vez pior.
- Eu não estou com cara de camelo engasgado! Eu não estou com cara de camelo engasgado! Eu não estou com cara de camelo engasgado! – Gritava ela.
Eu peguei nela por um braço e levei-a ao espelho. Ela ficou muito admirada a olhar para o espelho. Olhou para mim, olhou para o espelho, voltou a olhar para mim e voltou a olhar para o espelho e, por fim, desatou a rir à gargalhada. – Eu estou mesmo com cara de camelo engasgado!
Para meu espanto, a Sara saiu para a rua a rir e a pular e a dizer a toda a gente: - Olhem para mim! Já viram? Que engraçado! Eu estou cá com uma cara de camelo engasgado!
Pela primeira vez ninguém reparou que a Sara ficava com cara de camelo engasgado. Até acharam que ela estava com uma cara muito divertida.
Não sei se foi ela que nunca mais ficou amuada ou se foram as pessoas que deixaram de lhe dar importância. A verdade é que, a partir desse dia, a Sara nunca mais ficou com cara de camelo engasgado.
Em compensação, no Jardim Zoológico, há um camelo que sempre que se zanga fica mesmo com cara de Sara amuada…
                                                                                                         José Fanha





quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018


CONCURSO NACIONAL DE LEITURA



Alunos apurados para a fase municipal a decorrer na Biblioteca Municipal de Aveiro, entre os dias 11 e 12 de abril (datas ainda a confirmar).


Alunos apurados no Concurso Nacional de Leitura, fase de escola, Escola Básica João Afonso de Aveiro  –  2.º ciclo.


Ano
Aluno
Professor
5.º 
António Sereno
Américo Nogueira
5.º 
Beatriz Lopes
Manuela Martins
5.º 
Diogo Novais
Américo Nogueira
5.º       
Matilde Vieira

António Abílio

5.º 
Marta Bizarro
5.º 
Francisco Gonçalves
6.º 
Duarte Correia
Manuela Martins
6.º 
Pedro Teixeira
Dulce Cirino
6.º 
Tiago Madail
Carla Figueiredo
6.º 
Leonor Coelho
Teresa Marçal
6.º 
Carolina Canha
6.º 
Salvador Carvalho
Dulce Cirino
6.º 
Bruna Moedas
Carla Figueiredo
6.º 
Isabel Afonso
José Coelho
6.º 
Letícia Bastos
                                                                                      Total: 15 alunos

  Nota: Os alunos apurados devem ler o livro: "O castelo dos livros" de Ana Maria Maia Gonzalez          (Solicitar o livro no PBX)                                                                  

                                                                                    

Alunos apurados no Concurso Nacional de Leitura, fase de escola, Escola Básica João Afonso de Aveiro   3.º ciclo.

Ano
Aluno
Professor

8.º 


Afonso Proença

Susana Pinto
Helena Navarro
Marta Baptista

Margarida Martinho
Gonçalo Pato
                                                               
                                                                                                                   Total: 4

Nota: Os alunos apurados devem ler o livro: "Os da minha rua" de Ondjaki.
(Solicitar o livro no PBX)

                                                                                   Professora Bibliotecária: Conceição Silva

terça-feira, 23 de janeiro de 2018


CNL12banner12cnl.png


CONCURSO NACIONAL DE LEITURA
12ª EDIÇÃO – 2017 | 2018
REGULAMENTO

A 12.ª Edição do Concurso Nacional de Leitura [CNL] cumpre-se entre o dia 20 de novembro de 2017, data oficial de abertura, e o dia 10 de Junho, data de celebração da língua portuguesa.
Como em edições anteriores, o Plano Nacional de Leitura 2027 [PNL2027], com o propósito de dar a esta celebração da leitura e da expressão um caráter mais universal e significativo, articula-se com a Rede de Bibliotecas Escolares [RBE]; com a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB); com o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua (Camões, IP) que promove a versão internacional desta iniciativa [CIL]; com a DGAE / DSEEPE, versão lusófona, e com a RTP, que acompanha o CNL demonstrando, em imagens, o verdadeiro prazer de ler.
Cabe ao Plano Nacional de Leitura 2027 a organização geral do CNL e o controlo do seu desenvolvimento, ao longo de duas Fases consecutivas:
Fase Regional – engloba as provas nas escolas, municípios e territórios das comunidades intermunicipais / áreas metropolitanas / associações de municípios fazendo intervir, de forma decisiva, as Bibliotecas Escolares e as Bibliotecas Públicas;
Fase Nacional – conta com a participação de todos os parceiros e é constituída por uma prova dirigida a todos os vencedores da Fase Regional + vencedores das Escolas portuguesas e com ensino de português no estrangeiro [EPE], que apurará cinco finalistas em cada nível de ensino, os quais serão, na cerimónia final, ordenados em função da avaliação de um júri nacional, a constituir para o efeito.
A participação no concurso está aberta às escolas do Continente e dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira, das redes pública e privada que a ele aderirem, através da inscrição de alunos de todos os ciclos de ensino - 1º Ciclo / 2º Ciclo / 3º Ciclo / Ensino Secundário. Está igualmente aberta aos alunos das EPE, quer da esfera de influência do Camões IP, quer da área de influência da DSEEPE.
I. OBJETIVO
O objetivo central do Concurso Nacional de Leitura é estimular hábitos de leitura e pôr à prova competências de expressão escrita e oral.

II. DESTINATÁRIOS
− Alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico
− Alunos do 2.º Ciclo do Ensino Básico
− Alunos do 3.º Ciclo do Ensino Básico
− Alunos do Ensino Secundário

III. CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO E FASEAMENTO
INSCRIÇÃO NO CNL:
Até 5 de dezembro de 2017, as Escolas preenchem o Formulário de Inscrição no CNL 2017/2018, disponibilizado no SIPNL: http://www.sipnl.planonacionaldeleitura.gov.pt/login.jsp
Até 8 de dezembro de 2017, o PNL2027 publicará no seu Portal a lista das escolas inscritas.

FASE REGIONAL – ESCOLAS/ MUNICÍPIOS/ CIM-AM:
A Fase Regional do CNL 2017/2018 desenrola-se em três momentos consecutivos: Escolar, Municipal e Intermunicipal.

1º momento: Provas nas Escolas
O 1º momento, que decorrerá entre 8 de dezembro e 28 de fevereiro, é organizado por cada uma das escolas do Continente e dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira, bem como pelo Camões IP e pela DGAE/DSEEPE, nas escolas portuguesas no estrangeiro que aderirem a esta iniciativa.
Nesta etapa, as escolas, com o apoio dos coordenadores interconcelhios das bibliotecas escolares (CIBE) e da Biblioteca Municipal (BM) constituirão um júri a quem cabe selecionar as obras a concurso e apurar os vencedores de cada agrupamento/escola não agrupada (1 em cada nível de ensino: 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e ensino secundário), que competirão a nível municipal.


Nota:1 No caso dos concelhos com um único agrupamento, os momentos escolar e municipal correspondem a um único processo de apuramento.

O PNL2027 oferece uma lista anualmente atualizada de livros recomendados para todos os graus de ensino que se poderá utilizar como referência em todos os momentos do CNL.
As provas do 1º momento, a ocorrer até 19 de fevereiro, são realizadas de modo descentralizado e com inteira autonomia, podendo apresentar modelos e estruturas diferentes entre si.
De 20 a 28 de fevereiro, as escolas registam no SIPNL as obras lidas e os alunos apurados para o momento seguinte, cujos nomes serão publicamente divulgados pelo PNL no seu portal.

2º momento: Provas nas Bibliotecas Municipais
O 2º momento decorrerá entre 1 de março e 30 de abril. Esta etapa traduz-se pela realização de provas organizadas por Bibliotecas Municipais, dirigidas aos vencedores do momento anterior.
Cada BM, em articulação com as escolas e os CIBE, nomeará um júri, a quem cabe selecionar as obras a concurso e apurar 1 vencedor em cada nível de ensino (1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e ensino secundário) para competirem no momento seguinte.
Este júri deve ser constituído por um CIBE, um representante da BM e uma personalidade de reconhecido mérito nas áreas da leitura e da escrita, tendo em consideração o perfil etário dos concorrentes, nomeadamente no respeitante à entrada de alunos dos 1º e 2º ciclos do ensino básico no CNL.
As provas deste 2º momento, a ocorrer até ao dia 25 de abril, são elaboradas, à semelhança do ocorrido na etapa anterior, de modo descentralizado e com inteira autonomia, podendo apresentar modelos e estruturas diferentes entre si.
De 26 a 30 de abril, as escolas registam no SIPNL as obras que foram lidas e os alunos apurados para o momento seguinte, cujos nomes serão publicamente divulgados pelo PNL no respetivo portal.

3º momento: Provas nas Comunidades Intermunicipais/Áreas Metropolitanas
O 3º momento decorrerá entre 1 e 31 de maio.
Este momento congregará os vencedores de cada concelho (1 por cada nível de ensino) para a realização de provas a nível intermunicipal e das áreas metropolitanas.
Para a organização deste processo, que deverá ocorrer até 25 de maio, serão constituídos júris a quem cabe a elaboração das matrizes das provas.
As provas para a seleção dos concorrentes vencedores apurarão 2 por CIM/AM/Escolas Portuguesas no Estrangeiro, em cada nível de ensino (1º, 2º e 3º Ciclos do ensino básico e ensino secundário), que irão competir na Final Nacional.
Cada júri deve ser presidido por uma personalidade de reconhecido mérito, das áreas da cultura e do saber, e composto por representantes dos diversos parceiros.
A lista dos finalistas será publicada nas plataformas de todos os parceiros até ao dia 31 de maio.

FASE NACIONAL
A final nacional do CNL terá lugar a 10 de Junho de 2018, dia em que se celebra a língua portuguesa.
Previamente, haverá uma prova escrita de pré-seleção, a distância, da qual virão a ser apurados a nível nacional e internacional, 5 concorrentes vencedores por cada nível de ensino.
O desfecho desta fase nacional consiste na realização de provas públicas de palco.
Cabe ao PNL 2027 e ao Júri nacional, a nomear oportunamente, a definição das provas de palco a que os concorrentes se sujeitarão, em espaço a definir.
Este Júri avalia as prestações dos concorrentes finalistas e delibera sobre a sua hierarquização – 1.º, 2.º e 3.º prémios + 2 Menções Honrosas.
O Júri da final nacional é constituído por duas figuras de relevo da língua, da cultura e do pensamento português, representantes da DGLAB e RBE, e terá como presidente, por inerência, a Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027.
O Júri Nacional reserva-se o direito de intervir em quaisquer questões relativas ao número, conteúdo, forma e correção das provas, bem como o de tomar qualquer decisão de supressão, modificação ou manutenção de tais provas.
O Júri Nacional é soberano, não sendo possível, em circunstância alguma, recorrer das suas decisões.
Ao Júri Nacional compete decidir sobre quaisquer matérias omissas neste Regulamento.

IV. CALENDARIZAÇÃO 
Concurso Nacional de Leitura (12ª Edição)
Ensino Básico e Secundário ABERTURA - INSCRIÇÃO [Escolas públicas e privadas]
20 Nov 2017
Anúncio de abertura | Divulgação do Regulamento
Escolas | RBE/CIBE | DGLAB/BM | DGAE/DSEEP | Camões, IP | RTP
Até 05 Dez 2017
Inscrição das escolas | Formulário no SIPNL
Até 08 Dez 2017
Divulgação – lista de escolas inscritas – Portal PNL2027 + Sites Parceiros
PROVAS / ESCOLAS
08 Dez 2017 – 19 Fev 2018
Provas nas Escolas
1 vencedor por nível de ensino por Agrupamento de Escolas / escola não agrupada
20 Fev 2018 – 28 Fev 2018
Preencher Formulário no SIPNL - Alunos apurados e obras lidas
Divulgação - lista de alunos apurados – Portal PNL2027 + Sites Parceiros Júri: ESCOLAS + CIBE + BM
PROVAS / BIBLIOTECAS PÚBLICAS
01 Mar 2018 - 25 Abr 2018
Provas nas Bibliotecas
1 vencedor por concelho, em cada nível de ensino
Preencher Formulário no SIPNL - Alunos apurados e obras lidas
26 Abr 2018 - 30 Abr 2018
Divulgação - lista de alunos apurados - Portal PNL2027 + Sites Parceiros
Júri: CIBE + BM + personalidade de referência
PROVAS / CIM / AM
01 Mai 2018 - 25 Mai 2018
Provas nas CIM / AM
2 vencedores por CIM/AM, em cada nível de ensino
Preencher Formulário no SIPNL - Alunos apurados e obras lidas
26 Mai 2018 - 31 Mai 2018
Divulgação - lista de alunos apurados - Portal PNL2027 + Sites Parceiros
Júri: personalidade de referência + representantes dos parceiros
FINAL NACIONAL
10 JUNHO 2018 – FESTA DA LEITURA | DIA DA LÍNGUA PORTUGUESA
Apuramento dos 5 vencedores por nível de ensino mediante resultados da prova escrita de pré-seleção, a distância.
(46 CIM/ AM + EPE x 4)
‘Prova de palco’
Identificação dos Vencedores do CNL: 1º | 2º | 3º | MH | MH por nível de ensino

V. PRÉMIOS
• Os prémios a atribuir aos vencedores dos diferentes momentos da Fase Regional deverão ser decididos a nível escolar/ municipal/ intermunicipal, de acordo com a deliberação dos respetivos júris, e contar, desejavelmente, com o apoio de parceiros e/ou patrocinadores diversificados.
• Cada participante na Final Nacional receberá um prémio de presença e um certificado nominal de participação.
• Os 3 primeiros classificados da Final em cada um dos níveis de ensino (1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e ensino secundário) serão os grandes vencedores do CNL e receberão prémios a atribuir pelo PNL 2027. O mesmo ocorrerá para as Menções Honrosas.

VI. CLÁUSULAS ESPECÍFICAS
1. No caso de serem selecionados para as Finais Regionais ou para a Final Nacional, os candidatos menores de 16 anos não poderão participar sem a autorização expressa dos encarregados de educação.
2. É interdita a participação, como membros dos júris, a familiares diretos dos concorrentes.
3. Não serão admitidos, nos diferentes momentos do CNL, alunos que não estejam inscritos.
4. O PNL2027 disponibilizará um montante a definir com o objetivo de ressarcir as escolas participantes pelos custos associados à participação na Final do CNL 12ª Ed., num total repartido pelas rubricas:
● Atualização do Fundo Documental da Biblioteca (Livros e documentação técnica)

● Outras despesas / deslocações